Facebook Popup Widget



   Artigos

 Dicas de Poker no facebook Dicas de Poker no Twitter Clube Dicas de Poker

16/12/2008


Enxadristas e o Poker
(por GM Darcy Lima)


Já faz alguns anos que jogadores de xadrez vêm migrando para o poker. Grandes Mestres, Mestres e amadores têm trocado o jogo dos "reis" pelos reis, ases e damas das cartas. Com o boom do poker, as transmissões pela TV dos principais eventos de poker e o avanço do poker online, vemos essa migração ocorrer em progressão geométrica.

Aqui no Brasil, esse fenômeno está ocorrendo de maneira rápida, e alguns dos principais profissionais de xadrez do País já dedicam a maior parte do seu tempo às mesas de poker reais e virtuais. Muitos têm sido atraídos pelos grandes prêmios, que são muito maiores do que no xadrez, mas a maioria encontra no poker uma arena fértil para explorar sua competitividade e seus dons naturais de estratégia e psicologia.

Em uma comparação mais específica do jogo de xadrez e do jogo de poker, vemos algumas diferenças interessantes:

O xadrez está muito estudado, desde o século XVI – o que determina que, para que o jogador realmente evolua, ele tem que estudar muito as três fases do jogo (Abertura, Meio jogo e Final). Para estar competitivo, ele deve ter um conhecimento enciclopédico de diversas variantes e conhecimentos às vezes demasiadamente específicos e difíceis. Isso tira um pouco da emoção do jogo e nivela talentosos jogadores com jogadores menos habilidosos. Isso leva, também, a empates às vezes totalmente insossos. Para se ter uma idéia, em alguns eventos com a elite do xadrez, os organizadores estão obrigando os jogadores a assinar um pré-contrato que evita empates sem interesse. No poker, o nivelamento através do estudo exaustivo não ocorre e, sempre que as "mãos" forem relativamente equilibradas, o melhor terá vantagem sobre o menos habilidoso.

Outro fator importante é a previsibilidade do xadrez versus a imprevisibilidade do poker. No xadrez, a posição das peças é conhecida pelos dois jogadores. Teoricamente, você pode analisar todas as possíveis jogadas e encontrar a melhor (o que é matematicamente impossível, devido ao gigantesco número de combinações factíveis). No poker, porém, você não tem todas as variáveis à sua disposição e desconhece as cartas dos seus oponentes. O que virá do deck de cartas também. Isso dificulta a análise e traz mais emoção e interesse à medida que traz o imprevisível. O jogador de poker deve então analisar esses fatores imprevisíveis na hora de realizar sua jogada.

Além desses fatores, temos algo adicional, que é a aposta, no jogo de poker. Quando o xadrez estava nos primórdios e era jogado nos países árabes, podia-se apostar em cada lance ou em toda a partida. Quando o xadrez instalouse na Europa, através das invasões árabes na Península Ibérica, a moral cristã vigente na época fez algumas modificações no movimento das peças e retirou o fator de aposta do jogo. No poker, o fator aposta é um ingrediente importante e faz parte das inúmeras possibilidades de desequilibrar uma partida e torná-la mais interessante.

Algo que tanto o jogador de xadrez quanto o jogador de poker utilizam é a psicologia. O jogador de xadrez freqüentemente procura “saber” como o adversário pensa, para utilizar estratégias mais incômodas para o seu oponente. Assim, ele pode escolher uma jogada não tão boa, segundo uma abordagem concreta da posição, mas que levará seu oponente a ser pressionado a entrar em um tipo de jogo que ele não deseja, assim podendo forçar o adversário a adotar uma postura defensiva quando este preferia atacar, por exemplo.

O jogador de poker tem desafio semelhante, mas usa sua habilidade de percepção não só para descobrir a estratégia de seu oponente, mas também para "adivinha"” as cartas de seu adversário. Muitos jogadores de poker usam óculos escuros para tentar não revelar algo através dos olhos para seu oponente. Essa prática tem um caso famoso no xadrez, quando o desafiante do campeão do mundo, o ex-soviético Vicktor Korchnoi, usou óculos escuros espelhados para enfrentar o então campeão do mundo na época, Anatoly Karpov.

Certamente que o xadrez não acabará, e sua capacidade estética, sua história e suas partidas continuarão a atrair novos jogadores. Mas fica clara a razão da "migração" dos enxadristas entre os jogos: poker e xadrez têm relações em várias áreas da pesquisa humana, tais como Inteligência Artificial e arte da negociação. Além disso, muitas habilidades praticadas em um jogo podem ser usadas no outro, trazendo maior experiência ao jogador,como um todo. Pratique poker e xadrez!


Artigo de GM Darcy Lima, publicado na Revista Flop de Abril de 2008.




Gostou do artigo? Deixe seu comentário e compartilhe com seus amigos.