Facebook Popup Widget



   Artigos

 Dicas de Poker no facebook Dicas de Poker no Twitter Clube Dicas de Poker

23/12/2009


Diferentes pontos de vista e um único resultado
(por Leo Bello)


Alguns leitores talvez já tenham ouvido falar de um jogador americano chamado Justin Bonono. Ele ficou conhecido no meio do poker há alguns anos, tanto por ações positivas quanto por outras atitudes condenáveis, mas o fato é que o considero um dos melhores jogadores do mundo, principalmente porque sempre admirei seu modo de pensar sobre poker e de colocar as ideias no papel - muito parecido, aliás, com o que gosto tanto de fazer.

Quando comecei a jogar poker, minha primeira fonte de aprendizado foram os posts no fórum Two Plus Two, e Justin, com o apelido de Zee Justin, tinha algumas das participações mais brilhantes e didáticas. Eventualmente, outras fontes de referência, como livros e discussões com amigos foram aumentando meu arsenal de estudo, mas os posts do fórum continuavam com destaque nos meus favoritos. Justin tinha também um blog em uma página pessoal, e seus textos eram inspiração.

Até que tudo veio abaixo. Justin foi pego em um caso que foi considerado burla às regras dos sites de poker online, com múltiplas contas. Resumindo, ele entrava no mesmo torneio com até seis contas diferentes no Party Poker e Poker Stars. Isso aconteceu em 2006 e, passados dois anos, muitas pessoas já até esqueceram essa história.

Justin se arrependeu, pediu desculpas, ficou longe do mundo do poker por um ano, e acabou voltando por cima, e fazendo no Five Diamond Classic, no Bellagio, torneio válido pelo WPT, nada menos do que quatro mesas finais, incluindo a do Main Event, onde ele foi bolha da mesa da TV (7° lugar). Ele já ganhou mais de 1 milhão de dólares em prêmios.

Claro que um dos primeiros pontos desse artigo é aproveitar para falar da volta por cima desse fabuloso jogador, e de seu talento, que se sobrepôs aos erros que ele cometeu. Porém, toda essa introdução foi apenas para chegar ao meu objetivo na edição deste mês.

Na edição passada, após ver que vários jogadores falaram sobre metagame, e sobre todos os aspectos não matemáticos que envolvem a tomada de decisões em uma determinada mão ou torneio, resolvi abordar esse assunto colocando um pouco mais de pimenta. E para isso, decidi utilizar parte dos conceitos que li em um artigo do Justin: essa é a razão da introdução.

Vou começar com duas afirmações importantes:

"No poker, para cada jogada, existe uma que é matematicamente mais correta do que as outras, a qual chamamos de 'optimal play' (jogada otimizada)". E a segunda é que "em cada jogada existe uma opção 'otimizada', o difícil é interpretar a situação corretamente".

Vamos à explicação da importância das duas afirmações: Quando você enfrenta uma decisão no poker, pode tomar as seguintes ações:


Check/Call Bet/Raise Fold

Das três, a única de EV = zero seria dar fold. Ou seja, a expectativa de dar fold é que você não ganhe nem perca mais dinheiro, portanto, é uma opção neutra na mão. Lembre-se de que as fichas que já estão no pote não são mais suas, logo, você não pode imaginar que as perdeu.

Ao optar entre check/call ou bet/raise, uma das opções terá o melhor retorno quando o EV for analisado em cada opção. Em situações simples esse cálculo pode até ser feito mas, na prática, na maioria das vezes, é impossível calcular exatamente na mesa, e você acaba tomando sua decisão baseado numa mistura do seu feeling, com o que você estudou e adquiriu de experiência em outras situações semelhantes.

Os grandes jogadores muitas vezes se preocupam em estudar e fazer esses cálculos durante a sua preparação, na fase de estudos. E podem acreditar: isso ajuda muito. Ter a visão do que é matematicamente correto é fundamental para ser um jogador vencedor.

Este ponto é importante, pois, enquanto falamos tanto de metagame, é preciso lembrar que o cerne do poker é fazer jogadas com expectativa matemática positiva, que o levarão ao lucro no longo prazo. Caso contrário, você eventualmente será um perdedor no feltro.

Agora vamos ao fator de confusão do artigo, que é onde a segunda frase entra. E aqui, usarei um pouco do exemplo do Justin.

Imagine que você está em um torneio importante, como o WSOP ou EPT, e entra na seguinte mão: com os blinds em 2000-4000 e antes de 200, você tem A Q e aumenta do under the gun para 13.500, mostrando força. Seu stack é de aproximadamente 200 mil fichas, acima da média no momento. Está também confortável, com mais de 50 big blinds. Todos dão fold até o jogador no button, que tem um pouco mais fichas do que você, e dá call. A sua percepção deste jogador é que ele é bem tight e vem jogando assim há algum tempo. O flop vem Q 5 9. Você tem o top pair e resolve sair apostando 19 mil fichas. O adversário dá call sem pensar muito.

O turn traz um 3, completando um possível flush draw, e você, por não querer receber um raise e jogar um pote grande fora de posição, resolve pedir mesa após pensar um pouco, decidido a talvez dar call caso seu adversário aposte, porque além do top pair você tem o A de ouros, e se uma quarta carta de ouros aparecer você ficaria com o nut flush. O outro jogador dá check depois de você, optando por não apostar.

No river dobra o 5. Você, após pensar um pouco, resolve apostar com o seu top pair (na realidade, dois pares com kicker no ás) e coloca 40 mil em um pote que tem cerca de 70 mil fichas. Seu adversário resolve fazer um raise e aumenta mais 120 mil, praticamente colocando você em all-in.

Seu primeiro instinto é pensar que ele acertou o flush no turn e fez slowplay dando check, e você já vai jogando suas cartas fora. Porém, antes de fazê-lo, resolve pensar na jogada, analisando a situação pra ver se lhe ajuda a tomar a decisão mais correta. Começa tentando colocar o adversário em um range de mãos e imaginando o que ele faria em cada rodada. Logo no início, resolve descartar AA, KK, AK e QQ por imaginar que, em posição pré-flop, o adversário teria reaumentado com essas mãos, e portanto a ação a partir daí perderia o sentido. Começa então a pensar em mãos que ele daria call pré-flop e poderia jogar dessa maneira. A que mais assusta é o 99, que poderia ter feito uma trinca no flop e full-house no river. Porém, neste caso, o check do adversário no turn, e até mesmo no flop, parecem muito errados.

No flop, não dar raise com duas cartas de ouros na mesa, e ainda uma queda para sequência possível (Q9 no bordo), parece errado com o 99. E mais equivocado ainda é não apostar com a trinca no turn após a terceira carta de ouros surgir. Será que o adversário tight daria tantas chances para você completar um possível flush ou sequência tendo apenas uma trinca? Em um torneio deste nível, e nesse momento avançado de blinds, não espere encontrar jogadores que permitam que as próximas cartas sejam vistas de forma barata.

Assim, as chances de trinca no flop, no seu raciocínio, diminuem.

Será que ele poderia ter chamado pré-flop com duas cartas de ouros, como KJ ou suited connectors? Lembrando que com o ás de ouros na sua mão, isso diminui muito as chances do adversário chamar com cartas desse naipe, ou ainda de dar raise não tendo o nut flush; ou pior, num bordo em que dobrou e deu chance para um full house. Se ele tem duas cartas de ouros, a jogada mais correia seria ele ter apostado no turn com o flush feito, tanto para ganhar fichas como para impedir que você visse o river de graça e uma carta desse naipe aparecesse. Ele não apostou no turn e deu raise no river quando uma carta dobrou, ou seja, você elimina mentalmente a chance de flush.

Dentre as opções em que você pensa, uma se encaixa bem: ele pode ter dado call com uma mão como JT, e ter flopado uma queda para sequência, tendo chamado sua aposta rapidamente. No turn, como a sequência não apareceu, ele deu check e, no river, está dando um raise como um blefe, aproveitando-se da carta dobrada e do possível flush na mesa, tendo percebido fraqueza em você. Agora, você tem que decidir: ele está blefando e você dá call? Você larga a mão e sobrevive no torneio, pois ele pode ter um flush ou full house?

As informações que se tem já são muitas, e se você tivesse um computador à mão, que calculasse a parte matemática mais os outros aspectos da situação, saberia qual seria a melhor jogada. Esse computador, além de fatorar os números, teria também que analisar a situação.

Agora vem a beleza da história: vamos olhar a mesma situação do ponto de vista dos outros jogadores da mesa.

Vamos brincar e colocar nomes. Igor Federal, jogador muito observador e que acredita muito no poder da leitura, estava prestando atenção à jogada, e tem certeza de que o jogador que deu raise está blefando. Na sua cabeça, ele percebeu que o sujeito estava calmo ao longo da mão inteira, e que quando o flush apareceu no turn ele não demonstrou nenhuma reação, como se o seu jogo tivesse entrado. Ao fazer a aposta no river também não, e chegou a ficar aliviado quando percebeu que você ia jogando suas cartas fora. Porém, quando você voltou atrás e colocou as cartas de volta no lugar e voltou a pensar, ele começou a tremer com a mão. Igor sabe que ele está blefando, e você não percebeu isso. Você não tem esse pedaço da situação pra jogar lá no computador.

Leandro Brasa acabou de ser movido para esta mesa, e estava se sentando quando viu que havia um all-in na mesa. Olhou rapidamente para o bordo, viu a possibilidade de flush e full house, perguntou ao jogador ao lado como havia sido a mão e viu que quem tinha dado raise estava tremendo. Sabendo que o sujeito é tight, Brasa pensou: "ele tem um jogo muito forte. Está ganhando com certeza. Esse raise só pode significar full house".

André Akkari, que sempre joga online com o cara que deu raise, e sabe que ele é extremamente tight, foi quem contou a mão para o Leandro Brasa, ressaltando na história o estilo tight do sujeito. Akkari tem certeza de que esse jogador não blefaria o stack inteiro em uma mão como essa, ainda mais no final do torneio.

Só que Rafael Caiaffa, que está ao lado do Akkari, tem uma outra visão: ele percebeu que essa mesa é a próxima a ser quebrada e que todos vão se separar em breve. Ele mesmo vinha pensando, como bom blefador que é, que este momento era perfeito para soltar um belo blefe, principalmente se você viesse jogando tight. Caiaffa também pensou a mão inteira como você, só que, com o fator adicional de ter percebido que a mesa ia quebrar, decidiu que a situação era perfeita para o blefe.

Veja que as informações do Brasa (que viu o cara tremendo e reviu a jogada com espectador), do Akkari, que conhece o jogador do online e sabe que ele é tight e quase não blefa, e do Fabião, que viu que a mesa vai ser quebrada, não estão sendo levadas em conta por você no seu processo de tomada de decisão.

E se eu disser que o Felipe Mojave está sentado ao lado deste jogador, e que, desde que ele deu raise no river, as pernas embaixo da mesa não param de tremer de nervosismo, e ninguém mais além do Mojave percebeu isso? Mojave, que esteve o dia inteiro ao lado desse jogador, percebe o quanto ele ficou nervoso no river, e revendo a mão também acredita no blefe.

Raul Oliveira, que está na mesma mesa e analisou toda a situação friamente, lembrou que a bolha está chegando, e não acredita que o jogador que deu raise fosse jogar todo o torneio fora em um blefe. Ele tem certeza de que não é um blefe. Pior, Raul tinha K J, e ele próprio teria feito o flush. E se você soubesse disso, ou o computador soubesse, suas decisões ficariam um pouco mais fáceis.

Sem poder levar em conta todas essas informações, sua decisão fica dificultada. E veja bem: sob o ponto de vista de metade da mesa, o jogador está blefando; mas do ponto de vista da outra metade, ele tem jogo.

Você acaba decidindo dar call e se arrepende no mesmo momento, mas vibra quando o oponente fala que você ganhou e mostra o JT. Ele está convencido que você é um péssimo jogador e pergunta como você pode fazer esse call. Pergunta até mesmo se você não reparou o quão tight ele vinha jogando.

Metade da mesa fica surpresa com o seu call e com blefe. A outra metade acha tão óbvio que não vê como "mais do que sua obrigação" ter ganhado a mão.

Você, nesse momento, tomado pela emoção, já esqueceu até que logo após fazer o call se arrependeu, e que seu primeiro instinto o mandou dar fold: você acha que o seu instinto fez você dar o call.

Qual a moral dessa história? Poker é um jogo de informações incompletas. Tomar decisões seria muito mais fácil se você soubesse o que cada jogador estava pensando, mas isso é impossível. A situação pode ser diferente, dependendo do ângulo ou ponto de vista que se olha.

Preocupe-se em analisar a situação da forma mais completa possível naquele instante (metagame) e raciocinar também a situação que lhe parece ter a expectativa mais positiva. E se lembre: não se arrependa das suas escolhas baseadas em informações que você não tinha no momento.

Boa sorte nas mesas,

Leo Bello.


Artigo de Leo Bello, publicado na revista Card Player Brasil Ano 2, N°. 14.




Gostou do artigo? Deixe seu comentário e compartilhe com seus amigos.