Facebook Popup Widget



   Artigos

 Dicas de Poker no facebook Dicas de Poker no Twitter Clube Dicas de Poker

23/03/2013


Pares médios em no-limit hold'em
(por Bob Ciaffone)


Mãos traiçoeiras de se jogar.


Eu vou definir par médio arbitrariamente como sendo um par menor que valetes, que está mais propenso a acertar uma trinca mediana do que uma baixa. Vamos usar de dez a setes como a zona em discussão. Esses pares têm chance de ser overpair no flop, mas decididamente são azarões para conseguir isso.

Além do mais, quando são overpair, ainda podem ser uma mão frágil.

Primeiramente, há grandes chances de alguém ter um overpair maior, especialmente se o pote tiver sido aumentado pré-flop.

Segundo, se não houver par no flop, o ranking das cartas do bordo se comprimem em uma zona menor, o que significa que sequências são uma ameaça maior que o normal, particularmente em um pote não aumentado.

Terceiro, quando há um par baixo no flop e você tem um overpair, você ainda tem que se preocupar porque alguém pode eventualmente ter uma trinca.

Todos esses comentários sobre um flop que nos dá um overpair diante do bordo enquanto nos deixa em uma posição arriscada mostram que nós não temos a relativa segurança de um overpair maior, então o valor principal da mão é ser capaz de flopar uma trinca.

Contudo, sabemos que as chances de isso acontecer são um pouco piores do que uma a cada oito vezes, então é a promessa de um grande pote que nos conduz ao pote quando as apostas pré-flop de um oponente indicam uma mão provavelmente melhor.

Antes de eu denegrir totalmente os pares intermediários, permita-me dizer que eles são uma mão importante em no-limit hold'em devido à sua habilidade de dobrar seu estoque quando acertam uma trinca.

Tais pares são grandes o bastante para acertar trincas médias em vez de trincas baixas, muito embora uma disputa entre trincas seja rara, é exatamente essa circunstância que lhe dá uma das situações mais deliciosas em no-limit hold'em: dobrar às custas de alguém quase sem risco de perder depois de ir all-in.

Também entre esses cenários desejáveis está flopar uma trinca quando seu oponente segura duas cartas altas e flopa top pair. Você definitivamente quer ver o flop com um par mediano, o que para mim é uma boa razão para entrar de limp de posição inicial em jogos deep-stack, em vez de abrir raise.

À medida que o número de oponentes diminui, as chances de ganhar o pote com menos que top pair aumentam. Depois de vários oponentes terem dado fold, a atratividade de abrir raise (em vez de entrar em limp) aumenta.

Abrindo, eu tendo a aumentar com dez e noves de posição intermediária e a pisar no freio com oitos e setes da posição hijack (dois assentos à frente do button). Bons jogadores não entram em consenso sobre onde deve ser marcada a linha para cada mão em particular, mas os princípios gerais que delineei se adéquam à teoria padrão do poker.

O que eu disse acima se aplica principalmente ao poker com grandes estoques, especialmente cash games. Torneio é outra espécie totalmente diferente: seu estoque típico após algumas rodadas de jogo deve estar na área entre 10 e 30 vezes o big blind em fichas.

Mesmo que você possua mais do que isso por ter dado sorte no início, um oponente tem em média de 10 a 30, como mencionei, pois os menores estoques ficam pressionados a entrar no pote. Nessas situações, ir all-in com pares intermediários é bem melhor do que entregar seu dinheiro sem brigar. Isso tem aplicação especial se o torneio tiver chegado a um ponto em que os antes começaram a ser cobrados.

Se você decidir abrir raise com um par mediano, sou da opinião que você deve dar call em um reraise all-in de um oponente, caso você tenha odds de 2-1 ou melhores. Por exemplo, suponhamos que você abra com quatro vezes o big blind e alguém empurre tudo. Há 9,5 big blinds no pote, sem contar a quantia reaumentada, então um reraise de mais 10 big blinds (como reaumentar uma aposta de 4.000 para um all-in de 14.000) lhe coloca na posição de precisar fechar os olhos dar call contra qualquer oponente razoavelmente normal.

Minha experiência diz que o outro jogador tem uma mão melhor que a sua apenas na metade das vezes, considerando que ele vá all-in com qualquer ás e outra carta alta. Para as situações em que você tenha odds de menos de 2-1, como ocorre quando reraise é de mais de 14 big blinds na situação que estamos discutindo, você pode começar a levar em conta fatores como quem você está enfrentando e como ele está jogando.

Suponhamos que, em um torneio, não tenha sido você quem abriu raise – alguém faz isso, e você tem um estoque pequeno e segura um par intermediário. Quais são as diretrizes que deve seguir?

A primeira que eu sugiro é jamais dar call se você for colocar 20% ou mais do seu estoque: dê raise ou fold. Tentar ver um bom flop para um par não é a política mais lucrativa quando você não sabe o que seu oponente tem. Frequentemente, você não vai saber o que ele possui, pois ele tomou a iniciativa com seu raise pré-flop e vai provavelmente lhe forçar a acertar o flop. Você vai dar fold com a melhor mão ou permitir que seu oponente veja o flop e lhe derrote quando ele teria desistido diante de um reraise.

Qual deve ser sua estratégia no flop caso você tenha dado call em vez de reraise all-in?

Você deve tentar flopar um overpair e dar fold caso não consiga? Boa sorte com seu par de oitos. Você coloca todas as suas fichas no pote se vir um flop sem ás e com nada mais do que uma overcard? Ter esses requisitos ainda vai lhe deixar vulnerável a um oponente que tenha uma mão pior que a sua antes e no flop, mas que aposta diante de um bordo perigoso e lhe tira do pote.

Em um torneio, devido ao desespero, um estoque pequeno frequentemente joga com um par de dois como se fosse um par de ases. Minha fórmula para pares intermediários pré-flop é simples: um estoque pequeno aposta todas as suas fichas quando acha que é favorito ou está tão pequeno que não há mais espaço para se mexer.

Quando é que não há mais espaço para se mexer? Suponha que os blinds estejam em 500-1.000 com um ante de 100, e haja oito jogadores na mesa. Em mais duas rodadas (talvez o tempo médio necessário para que você encontre outra oportunidade de apostar), você vai ter colocado 4.600 em blinds e antes.

Portanto, com 10 mil, se você economizar e tiver que esperar mais duas rodadas antes de aumentar, mesmo que você ganhe, só vai puxar o suficiente para voltar para onde está agora — que é em perigo mortal.

Quando tenho menos de 10 big blinds, prefiro pegar um par intermediário e jogá-lo valendo todas as minhas fichas do que esperar por uma oportunidade melhor mais tarde. Mesmo que um jogador tight que aumente o pote possa ter A-K ou A-Q. De fato, até jogadores tight sentem a pressão dos torneios e podem ser pegos com menos do que você esperaria, em particular se estiverem em posição final.

É bem melhor apostar que você vai encontrar um jogador com uma mão fraca, ou completar um draw, do que colocar sua fé na hipótese de encontrar depressa outra oportunidade para colocar suas fichas. Não morra sem lutar!

Resumindo, com um par intermediário, seja conservador com um grande estoque e agressivo quanto tiver poucas fichas.

Artigo de Bob Ciaffone, publicado na revista Card Player Brasil Ano 3, N°. 33.




Gostou do artigo? Deixe seu comentário e compartilhe com seus amigos.